22 de Junho

 

Tolice

Leia -> Salmo 127:1-2
...Se o SENHOR Deus não edificar a casa, não adianta nada trabalhar para construí-la...(v.1).

       Não sou muito fã de camisetas cristãs, mas recentemente vi uma que gostaria de ter. Andando pelo centro de nossa cidade, passei por um homem idoso com os seguintes dizeres em seu peito:
      SAIA DO CAMINHO E PERMITA QUE JESUS AJA. Apesar de ser uma frase relativamente comum, descreve uma excelente atitude. Todo o mal, tristeza, pobreza e escuridão de nosso mundo devem nos compelir a sairmos de nossos confortáveis sofás para agir. Como certo escritor registrou: “Jesus ressuscitou dos mortos; e nós temos trabalhar a fazer.”
      Entretanto, o salmista, de acordo com o fio condutor em toda a Escritura, nos adverte contra pensamos que somos a causa central ou a consequência em quaisquer de nossos esforços. O engajamento de Deus com o mundo não está em desequilíbrio, pendendo, na ansiosa esperança de que nós, humanos, apareçamos.
     Todo o nosso esforço, habilidade e técnica são insuficientes sem a intervenção de Deus. “...Se o SENHOR não proteger a cidade...”, escreve o salmista, “...não adianta nada os guardas ficarem vigiando” (127:1). De fato, “Não adianta trabalhar demais para ganhar o pão, levantando cedo e deitando tarde...” (v.2) porque a atividade frenética ignora o fato de sermos dependentes da bondade e misericórdia de Deus.
      Esquecidos desta verdade, nos fatigamos, preocupamos e suamos. Planejamos, manipulamos e lamentamos. Raramente descansamos. Raramente oramos. E ao final, nos descobrimos vivendo de forma insensata como se fôssemos Deus.
      Este não é um argumento para uma vida frouxa, sonolenta e inerte. Ao invés disso, é uma chamada para nos engajarmos com a obra redentora de Deus no mundo – lembrando sempre de que esta é a Sua obra entre nós.
     Tyler Wigg Stevenson descreveu bem: “Não preciso salvar o mundo, mas posso servir ao Deus que já o salvou.”
–Winn Collier