23 de Junho

 

Morrer para viver
“Alguns homens não podem ser intimidados ou convencidos. Alguns homens só querem assistir o mundo pegar fogo”
-Alfred, o Mordomo



Leia->Hebreus 11:32-40
...Outros foram torturados até a morte; eles recusaram ser postos em liberdade a fim de ressuscitar para uma vida melhor (v.35).

        Essas palavras, do filme de grande sucesso, Batman – O Cavaleiro das Trevas, falam sobre motivações. Como eu, você pode se questionar sobre quais os motivos que levam os terroristas a se amarrarem com explosivos e se autoexplodirem – destruindo outras pessoas em atos de terrorismo que alguns chamam de martírio.
       O escritor do livro aos Hebreus tem uma visão diferente do que é realmente ser um mártir (ser morto pelo que você acredita, e não tirar sua própria vida). Ele escreve sobre aqueles que morreram por Cristo: “...estes que obtiveram bom testemunho por sua fé” (Hebreus 11:39).
       Por que um bom testemunho? Porque se recusaram a dar as costas para Deus (v.35) e aceitaram a morte das mãos de seus perseguidores.
     Jesus é o supremo exemplo de uma fé que levou ao sacrifício extremo. Ele permaneceu calado e aceitou os horrores iminentes da crucificação (Isaías 53:54-57). Seu alvo era a vida e vitória sobre a morte (1 Coríntios 15:54-57). Estêvão, um seguidor de Jesus, falou palavras de perdão e vida mesmo ao morrer como mártir (Atos 7:60) – imitando seu Salvador.
       Estes exemplos definem bem o martítio – atos abnegados que levam à vida. Eles não vivem para morrer – morrem para a vida. Estas palavras de Matthew Henry esclarecem o contraste: “Devemos nos surpreender mais pela maldade da natureza humana, que é capaz de tão terríveis crueldades aos seus semelhantes, ou pela excelência da graça divina, que é capaz de sustentar os fiéis sob tais crueldades e guardá-los em segurança?”
     A vida é viver e morrer por Jesus!
-Tom Felten