25 de Junho

 

Graça e gratidão

Leia-> Tito 2:11-14
Deu revelou a sua graça para dar a salvação a todos. Essa graça nos ensina a abandonarmos a descrença e as paixões mundanas e a vivermos [...] uma vida prudente, correta e dedicada a Deus (vv.11-12).

        Martinho Lutero queria desistir. Sua congregação em Wittenberg, após ter aprendido que o evangelho de Lutero prometia perdão para todo e qualquer pecado, havia parado de freqüentar os cultos e de oferta á igreja e começara a ceder à avareza, lascívia e bebedeira. Frustrado, Lutero ameaçou entrar m greve se eles não mudassem suas atitudes, e declarou, “Suas bestas ingratas, indignas do evangelho; se vocês não se arrependerem, não vou pregar mais a vocês.” Eles não se arrependeram e ele parou, tirando alguns meses de folga para não ser “o pastor de tais porcos”.
     Como os luteranos em Wittenberg, muitos de nós pensamos (no início de nossa caminhada cristã): Se Deus nos perdoa independentemente do que fazemos, então não importa realmente o que fazemos. A salvação é um cheque em branco. Podemos pecar quanto quisermos pois tudo está coberto!
     Surpreendentemente, Paulo diz a Tito que ao invés de encorajar o pecado, a graça de Deus na verdade nos instrui a viver de forma a “...abandonarmos a descrença e as peixões mundanas e a vivermos neste mundo uma vida prudente, correta e dedicada a Deus” (Tito 2:12).
      O Catecismo de Heidelberg explica que somente quando percebo “o tamanho de meu pecado e miséria” posso compreender “como posso ser liberto de todos os meus pecados e miséria” , o que me fará “expressar minha gratidão a Deus pó tal libertação”.
Portanto, aqui está a fórmula cristã. Compreender a extensão de meu pecado em capacita a valorizar a graça, o que automaticamente me enche de gratidão, que sempre irá procurar formas de dizer obrigado. Parece assim: -Graça-Gratidão-Boas Obras.
      Se o seu amor por Deus está esfriando e a sua vontade em obedecê-lo enfraquecendo, a resposta não é ranger seus dentes e tentar com mais força. Em vez disso, use a fórmula. Comece com a percepção da profundidade de seu pecado. Somente então você valorizará a sua necessidade pela graça. E a gratidão e a obediência certamente o seguirão.
- Mike Wittmer