13 Agosto

 

Aproximação

 

Leia-> 2 Coríntios 6:14-18

Como podem Cristo e o Diabo estar de acordo? O que é que um crisstão e um descrente têm em comum? (v.15).

 

     Meu filho de seis anos adora Magnetix. Diferente do Lego que se encaixa e desencaixa, as peças magnéticas que se atraem u repelem são mais fáceis de montar. De acordo com meu filho, as peças do brinquedo chegam a sair de onde estão guardadas e ir para o chão, szinhas. Tá bom, sei...

    Quando se trata de relacionamentos, a atração não é brinquedo. Para os que crêem em Jesus, a Palavra de Deus  os manda buscar relacionamentos amorosos apenas com pessoas do sexo aposto e que também sejam cristãos verdadeiros (2 Coríntios 6:14). Devemos ser conscientes em nossos relacionamentos mais íntimos. (1 Coríntios 7:39).

     Paulo não estava defendendo que nos refugiássemos numa subcultura cristã. Ele sabia como é importante nos relacionarmos com não-cristãos para que possamos falar-lhes de Jesus 9Colossenses 4:5-6). No entanto, os limites em nossas relações são importantes. E têm tudo a ver com a compreensão da Koinonia. A palavra grega que significa comunhão envolve comunhão e intimidade. Significa muito mais do que simplesmente conhecer alguém. A idéia aqui implica em que a comunhão íntima permitirá que um receba ânimo do outro.

    Manter uma intimidade profunda assim com um não-cristão pode nos leva a adotar seus pontos de vista e escolhas (Êxodo 23:32). Em nossos relacionamentos com pessoas que não conhecem a Jesus, precisamos estar alertas para não compactuarmos com o pecado (Salmo 1:1). Isso inclui não tomar atitudes que neguem o chamado de Deus para aplicarmos mudanças saudáveis em nossas próprias vidas (Romanos 16:19).

    Davi assumi o compromisso de receber forças apenas daqueles que permitiram que o Senhor fosse a sua morada (Salmo 119:63). Deveríamos agir igual. As pessoas, as quais nos aproximamos, influenciam grandemente a nossa capacidade de alcançarmos vidas para Jesus.

-Regina Franklin