19 Setembro

 

A paz da cidade

 

Leia-> Jeremias 29:4-9

Trabalhem para o bem da cidade... (v.7).

 

      Amamos nossa cidade e quando nos mudamos para cá, realmente queríamos vir, e que nossa história se entrelaçasse com a da cidade; que nosso bem-estar estivesse ligado ao de nossa vizinhança. Certa noite assistir ao canal comunitário e fiquei intrigado com uma reunião do conselho municipal na qual se discutia sobre uma controvérsia quanto às calçadas. Estranhamente, descobri que realmente me importava.

     Durante parte da sua complicada história, Israel se encontrou numa nova cidade que não havia escolhido. Os babilônios tinham forçado Israel a fazer as malas e exilar-se. Compreensivelmente, Israel tentava resistir. Este não era o seu lar, nem o seu povo, nem a sua terra.

   O profeta Jeremias escreveu uma carta ao seu povo sofrido, dando-lhes algumas instruções incomuns. Ele os encorajou a marcarem sua presença neste novo território. “Construam casas e morem nelas. Plantem árvores frutíferas e comam as suas frutas. Casem e tenham filhos...”(29:5-6). Em vez de procurar  fugir, Jeremias disse-lhes para executarem as atividades humanas mais básicas: alimentar a família, cuidar da terra, construir uma vida na Babilônia. Em vez de se ressentirem pelo cativeiro, deveriam buscar o seu bem-estar. Pois ao orarem e trabalharem pelo bem da babilônia, encontrariam o seu próprio bem-estar “...se ela estiver bem, vocês também estarão” (v.7), afirmou Jeremias.

    A encarnação de Jesus nos convoca a nos doarmos a determinados povos e nações, a vivermos como se compartilhássemos as mesmas esperanças e batalhas que os nossos vizinhos (porque compartilhamos). Um escritor se expressa desta forma: “Se você veio até aqui para me ajudar, está perdendo o seu tempo... Mas se você veio porque a sua libertação está ligada à minha, então trabalhemos juntos.”

-Winn Collier