14 de Novembro

 

Amar é dar

 

Leitura Bíblia: 1 João 3.11-18

 

Devemos dar a nossa vida pelos irmãos (1Jo 3.19).

 

     Nossa passagem apresenta um contraste dos personagens Caim e Cristo. Caim, filho de Adão, tirou a vida de Abel; Jesus, o Filho de Deus, deu a vida pelo mundo. Somos exortados e não ser como caim que matou, mas como Jesus que deu sua vida. E o escritor vai além, dizendo que, quem não ama seu irmão, intimamente já o matou. Antes de Caim  levantar-se contra Abel, matou-o no coração. Interiormente era homicida; só faltava consumar o homicídio.

     Fia claro que a prova do amor é dar, sento Jesus o sumo exemplo quando deu sua vida por nós pecadores. O amor de Jesus nos constrange a socorrer o irmão necessitado, e que "não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade". O apóstolo Paulo deu testemunho de um cristão, Epafrodito, que deixou o exemplo de sacrifício: " Quase morreu por amor de Cristo, arriscando a vida para suprir a ajuda que vocês não me podiam dar" (Fp 2.30). Padecendo na prisão em Roma, Paulo precisava da ajuda dos irmãos. Se lá em Filipos Epafrodito tivesse raciocinado que de qualquer maneira Deus cuidaria de Paulo, quem sabe como Paulo teria passado? Deus precisava de alguém para empreender a longa viagem. Quando Epafrodito se prontificou, deixou de amar em palavra e amou !em ação e em verdade".

       Nem sempre são os mártires que dão a vida por amor de Cristo. Há gente nas igrejas que se desprende de maneira semelhante. Há uns trinta anos conhecemos um carpinteiro que sustentava a esposa e seus dez  filhos com sua profissão. Junto com outros cooperava na ampliação do templo da sua igreja depois do expediente. Certo dia aconteceu um acidente no local. Ele caiu e se feriu gravemente. Apesar dos tratamentos, não se recuperou. Constatou-se que o seu falecimento foi o resultado das lesões sofridas naquele dia. Deu a vida pela causa de Cristo, embora de outra maneira. Nas muitas situações normais da vida há sempre oportunidades de amar, dando de si. - TL

 

             O amor não pede: oferece.